Noite em casa

O Noite em casa dessa semana indica quatros filmes para quem vai passar essa sexta-feira chuvosa debaixo do edredom comendo chocolate: dois clássicos (ao menos para mim) e dois filmes leves.

Sociedade dos poetas mortos

Para alguns o filme mostra a velha trama da relação entre o professor-herói e o aluno que precisar ser instigado a pensar. É verdade, a base da história é essa, mas nenhum outro filme consegue passar a velha receita de maneira tão simples e marcante. O enredo mostra uma tradicional escola americana que contrata um ex-aluno (Robin Williams) para ser o novo professor de literatura, mas seus métodos de incentivar os alunos a pensarem por si mesmos criam um enorme conflito com a direção do colégio. Adotando o lema Carpe Diem, o filme é um drama para professor nenhum colocar defeito. Duração: 129 minutos



Profissão de Risco

O filme é baseado na vida do traficante George Jung (Johnny Depp), o principal importador de cocaína do Cartel de Medelin, comandado por Pablo Escobar. Durante duas décadas, Jung foi um dos principais alvos do combate às drogas pelo Governo americano e foi o principal contato entre o tráfico americano e os principais cartéis colombianos. Ainda quando jovem, o traficante, percebeu já na década de 70, como era fácil ficar rico simplesmente vendendo maconha. Aos poucos foi se profissionalizando e se perdendo ainda mais nas teias do tráfico. O filme também tem a participação de Penélope Cruz como esposa de Jung. Nem preciso falar da brilhante atuação de Johnny Deep. Duração: 124 minutos.



Uma vida em 7 dias.

Acho que foi a primeira e única vez que vi Angelina Jolie loira. O pior é que no filme ela seria uma loira natural. Tirando esse pequeno detalhe, o romance, assim como a Sociedade dos Poetas Mortos, trabalha com o tema Carpie Diem, já que a protagonista, Lanie Kerian, ao entrevistar o Profeta Jack (Tony Shalhoub de Monk) descobre que sua vida acabará em apenas uma semana. Muita coisa muda na vida de Lanie, trabalho, família, amor. Com a chuva e com o chocolate é um ótimo programa. Duração: 104 minutos

Obs: O vídeo abaixo é dublado pois não foi possível achá-lo legendado.



UP, Altas Aventuras

Dificilmente a Pixar nos decepciona, para o azar da Disney! Dessa vez não foi diferente, tanto que Up ganhou o Oscar de melhor animação e de melhor trilha sonora original. Até o Sr. Bonifácio, também conhecido como Boninho, gosta do filme, uma vez que seu avatar no twitter é a foto do Sr. Fredricksen. Este após acertar um homem com sua bengala é considerado uma ameaça pública e forçado a ser internado em um asilo. Para evitar que isto aconteça, ele enche milhares de balões em sua casa, fazendo com que ela levante vôo. Seu objetivo é viajar para uma floresta na América do Sul. O problema é que bem na hora da partida ele descobre que Russell, um menino de 8 anos, acaba embarcando junto com ele. O filme tem boas sacadas, estilo Indiana Jones, com uma aparência leve, mas no fundo um ótimo drama, com lição de vida e tema Carpie Diem (juro que não escolhi os filmes pensando nisso!). Duração: 96 minutos.



Michele Lima

Blogueira, tradutora, revisora, redatora, professora e pau pra toda obra. contato: michele_silvalima
@yahoo.com.br

Próximo
« Prev Post
Anterior
Next Post »
Comentários
6 Comentários
6 comentar
avatar

No filme da Jolie, ela recebe uma ligação de Samara Morgan?

Responder
avatar

mais ou menos isso Giovi kkkkk, aliás o Marcelo podia inicar O chamdo no próximo Noite em casa

Responder
avatar

O Chamado não é filme para se ver a noite! Sozinho então, nem pensar. Terror japonês só durante o dia e com, no mínimo, dez pessoas fazendo companhia. kkk

Responder
avatar

Sobre o "para o azar da Disney", acho que vc não ficou sabendo que a Pixar foi comprada pela Disney uns anos atrás... rs

Responder
avatar

Sim Le, mas ambas se odeiam, tanto que dizem que se separarão em 2011. A Pixar só aceitou ser comprada pela Disney porque não conseguia se livrar dos contratos, meio que se vc não pode com o inimigo junte-se a ele.

Responder
avatar

Entendi... Bem, os desenhos da Pixar revolucionaram não só pela tecnologia, mas porque conseguiram mudar aquele velho roteiro da Disney, da mulher/sereia/camponesa/aldeã pobre que se casa com o príncipe e vive feliz para sempre...

Responder