Telephone

Mickey Knox (Woody Harrelson) e Mallory Knox (Juliette Lewis) formam um casal nada comum. Extremamente apaixonados e violentos, os dois se transformam na versão Bonnie e Clyde cinqüenta vezes mais sangüentos de Oliver Stone. Mickey e Mallory não matam por dinheiro e sim por vingança! Seguindo a Rota 66, o casal assassina centenas de pessoas em apenas 3 semanas, sempre deixando alguém para contar história. O filme é repleto de referências à cultura americana, com cores fortes e imagens surrealistas, criando nexos e desconexos por inúmeras vezes. Para quem imagina que o filme é um drama excessivo, cheio de sangue e imagens pesadas, se ingana. O filme muitas vezes chega a ser cômico. Assistam ao trailer:



Não, não fiquei louca, voltem e assistam ao clipe Telephone de Lady Gaga e Beyoncé. Assistiram? Pois é, será que cada coincidência é mera semelhança? Talvez, mas assim que assisti me lembrei de imediato do filme Assassinos por natureza. Claro que Oliver Stone pisoteia o clipe com sua genialidade, mas ambos são muito parecidos, não só pelo enredo, como também pela fotografia. A comunidade GLS que me desculpe, mas é por essas e outras que acho que Lady Gaga é sim uma excelente cantora, uma artista completa, muito criativa e SÓ. Sempre que vejo algo dela acabo me lembrando de alguma coisa que alguém fez no passado e que ela está retomando em seus clipes. No entanto, antes que matem, gosto sim da moça, só não a considero um gênio da música moderna e muito menos a sucessora de Madonna. Minha singela opinião.

Ainda sobre o clipe, li hoje pela manhã no site do Terra (o clipe também foi retirado de lá) que um programa americano desceu a lenha no videoclipe, querendo que este seja banido dos canais americanos. Uma comentarista da Fox (tinha que ser a Fox!) diz que o cilpe é nojento e repleto de cenas fortes. Sinceramente, se ela está se referindo às cenas da prisão, dei risada de tão óbvia que era. Tratando-se de Lady Gaga era claro que ia ter beijo lésbico. Também dei muita risada com a cena da minha musa Beyoncé no carro dizendo: “Very very bad girl”. E depois amassa um objeto de ferro? Não, um sanduíche mesmo. E a cena da lanchonete? Ela está parecendo o pintinho amarelinho do Gugu! Muito bom o videoclipe, bastante criativo, dou meus parabéns a Oliver Stone... quer dizer ao diretor do clipe Jonas Åkerlund. E sim, adoro a Lady Gaga, mas sem fanatismo.

Michele Lima

Blogueira, tradutora, revisora, redatora, professora e pau pra toda obra. contato: michele_silvalima
@yahoo.com.br

Próximo
« Prev Post
Anterior
Next Post »
Comentários
13 Comentários
13 comentar
avatar

Creio que a música Telephone é fraca em termos musicais, mas o clipe surpreende pela narrativa e fotografia. Lady Gaga tem a qualidade de saber ser paródia de si mesma. Sobre os boatos de que seria hermafrodita, as policiais que a colocam na sala desmetem: "I told you she didn't have a dick". Genial

Responder
avatar

Fiquei que nem louco procurando esse clipe, mas não tinha conseguido achar. Também achei muito engraçada a cena referida pelo Marcelo. Bom, quanto ao texto, tenho tanta coisa pra comentar que nem vou começar, mas pelo que entendi a semelhança do clipe com o filme é que 2 pessoas matam um monte de gente e saem de carro(?!). Por um acaso, não foi Oliver Stone quem inventou isso. Quanto a fotografia, também achei beeem diferente. Bom, achei o clipe incrível, aqueles que conseguiram ignorar Gaga até aqui, vai ser difícil fazê-lo doravante.

Responder
avatar

Ah, e vocês repararam no repórter que noticia a morte das pessoas na lanchonete?

Responder
avatar

Bom Vinicius, não disse que Oliver Stone havia inventado nada (leia o texto novamente), só falei da semelhança, que não se resume a andar de carro matando as pessoas, e sim, ao fato de um casal se unir para matar por vingança de maneira escandalosa, um tanto expressionista, estilo Bonnie e Clayde. Ah, se não me engano em Assassinos por natureza uma das cenas do começo do filme é o massacre em uma lançonte. Oh!!!Quanta coincidência!!!
Também não achei a narrativa surpreendente, mesmo pq as ações são previsíveis, como o beijo lésbico por exemplo. E concordo que quem queria ignorar Lady Gaga, não conseguirá, a moça veio para ficar e arrasar! Só acho que ela é beeem menos do que falam....

Responder
avatar

Marcelo o que tem o repórter???
Ah, Vinicius, realmente está difícil achar o clipe, mas Notas de Rodapé sai na frente e mostra o video pra vc!!!!

Responder
avatar

Podemos encontrar referências de tudo em qualquer lugar que quisermos. Um bom retórico pode provar, por exemplo, que o clipe Poker Face da Lady Gaga tem referências ao Novo Testamento. A questão aqui é acusar o diretor e demais participantes do clipe de "se inspirarem" em um filme porque algumas partes coincidem (partes essas que podem ser encontradas em vários outros filmes e clipes). Enfim, mesmo que Akerlund diga a público que se inspirou em Assassinos por Natureza, não entendo porque a inovação do clipe é negada, sendo que, como vc mesma disse, Oliver Stone não inventou muitas das coisas em que utiliza em seu filme e, mesmo assim, conseguiu ser inovador. Ser original não é só inventar a roda, mas fazer com ela algo que ninguém fez, e isso, até aqui, Gaga vem fazendo muito bem. Respondendo sua pergunta referente ao comentário do Marcelo, em Assassino por Natureza também há um reporter que fica no encalço dos assassinos.

Responder
avatar

Vinicius, antes de sair fazendo comentários fanáticos, leia o texto novamente e me mostre onde eu disse que o clipe NÃO era inovador, ou neguei tal fato. Apenas comparei o filme com o videoclipe e dei a minha opinião a respeito da histeria em cima de Lady Gaga, que como disse no texto, é uma artista completa, criativa e ponto. E concordo que ser original é fazer algo que ninguém fez, só não encontrei isso no clipe, que é inovador, mas não é original, me desculpe, mas é assim que o vejo! E isso não desmerece o trabalho da Lady Gaga em nada. Repito: gosto dela, mas sem transformá-la em Deusa, detesto fanatismo.
E ah, a comparação do filme com o clipe é algo exclusivamente meu, as pessoas estão comparando ou como vc disse "acusando" (?!?) em realção ao Kill Bill, mas não disse nada a respeito pq discordo desta crítica.

Responder
avatar

Alguns comentários:
- a música tem um refrão que cola, mas não é boa;
- o clipe vale mais do que a música (e não entendo o porquê do primeiro lugar na Billboard), mas é uma piada;
- Lady Gaga é muito melhor do que a Britney;
- Lady Gaga com Beyoncé é igual macarrão com feijão: tem gente que gosta, mas eu acho que não combina.

Responder
avatar

Bem, só tenho uma coisa a acrescentar. Achei que o clipe tem muito mais a cara de Thelma e Louise do que Assassinos por Natureza. Mas essa foi só a minha impressão.

Responder
avatar

Será que só eu reparei que o repórter do clipe é o Jai Rodriguez (o nome até aparece no vídeo), aquele cara do programa Queer Eye for the Straight Guy?

Concordo com o Leandro. Lembrei-me mais de Thelma e Louise do que de Assassinos por Natureza.

Responder
avatar

Não tinha pensado em Thelma e Louise!!!!

E quanto ao repórter eu não assito Queer Eye for the Straight Guy. Acho que o programa deve ser legal, mas não dou conta de assitir a tudo.

Responder
avatar

Adorei o clipe! rsrs
Acho que a Beyonce em um clipe assim, em um contexto diferente do que estamos acostumados a ver, causa um certo estranhamento e justamente isso é o que me parece mais genial!
Mi, se a Teresa o visse, quizás ela diria que é super barroco! kkkkkk
um bju
Joyce

Responder
avatar

kkkkkkkkk Joyce, é mesmo a prof. Teresa realmente diria que o clipe é barroco, ou melhor, neo barroco!!! Já tinha me esquecido dela!

Responder