Jesus ou Diabo - quem ajudará o Brasil na Copa?



Mais uma polêmica da Copa do Mundo. O jornalista Juca Kfouri publicou na última segunda-feira (21/06) na Folha de São Paulo a seguinte opinião: “Kaká desmentirá, assim como o médico da seleção brasileira. Mas o fato é que ele está sofrendo para jogar esta Copa do Mundo e pode, como Guga, até encerrar sua bela trajetória no futebol muito mais rapidamente do que gostaria.”

Questionado sobre o assunto pelo filho do jornalista, André Kfouri, Kaká simplesmente respondeu: “Há algum tempo os canhões do seu pai são disparados contra mim. (...). Eu queria aproveitar a pergunta para responder às críticas que ele vem fazendo, e o que me deixa triste é que o problema dele comigo não é profissional, mas porque ele não aceita minha religião. Porque eu sou uma pessoa que segue Jesus Cristo. Eu o respeito como ateu, e gostaria que ele me respeitasse como seguidor de Jesus Cristo, como alguém que professa a fé em Jesus Cristo. Não só a mim, mas a todos os milhões de brasileiros que acreditam em Jesus Cristo”.



Quando li sobre o assunto, precisei reler a matéria por diversas vezes. Seria eu louca o suficiente para não enxergar os “canhões ateus” de Kfouri na sua declaração a respeito do púbis do Kaká? Não, não seria. Infelizmente, apesar de gostar muito do jogador, Kaká pegou a mania de perseguição de Dunga. Até já acho que isso é proposital, para fazerem estilo Felipão em 2002, pois como a seleção estava desacreditada isso fortaleceu o time para ganhar o campeonato. Posso até imaginar os jogadores conversando sobre o assunto; “eles querem ver a nossa derrota”, “eles zombam da gente por sermos cristãos”, “vamos mostrar a eles que podemos”, etc. Muito estimulante esse tipo de vitimização, mas só em filmes americanos. Como o próprio Kfouri disse, o Kaká “enfiou Jesus onde Jesus não foi chamado”. Críticas são críticas, colocar religião no meio da história é muita covardia!
Está mais do que óbvio que a seleção brasileira está não com quatro, mas com umas duzentas pedras na mão para atirar contra a imprensa. Todos sabem o quanto a mídia pode distorcer uma notícia, informar e desinformar, mas se não muito me engano, nunca foi preciso se fazer de vítima para ganhar uma Copa. Nunca antes nenhum técnico ou jogador precisou provocar tanta polêmica para ganhar um campeonato. Mesmo porque é o futebol que nos interessa, é ele que faz com que um time ganhe ou não um campeonato.



Os evangélicos não perseguem ninguém, mas o Kaká se acha perseguido porque é evangélico? Será que a Globo persegue o Dunga pelo mesmo motivo? Será então um complô contra os jogadores evangélicos e estes se juntarão a rede Record para boicotar a Globo? E a Globo que é a encarnação do diabo na terra quer que a seleção em Cristo não ganhe a Copa e com isso roubar as almas de milhões de telespectadores durante as partidas? E Juca Kfouri e seu filho, anjos malvados, perseguirão os seguidores de Jesus até que consigam destruir seus púbis a ponto de ficarem impotentes sexualmente! Oh céus! Quantas teorias de conspiração! O que será de minha alma por ter assistido a Globo por tantos anos, quanto tempo queimarei no inferno por ler Juca Kfouri? Seria eu uma perseguidora cristã, batizada em colégio de freiras, crismada com 15 anos, um demônio na forma de guri, mas ainda assim preocupada em Cristo com o púbis do Kaká? E agora Jesus ajudará o Brasil na Copa?

Michele Lima

Blogueira, tradutora, revisora, redatora, professora e pau pra toda obra. contato: michele_silvalima
@yahoo.com.br

Próximo
« Prev Post
Anterior
Next Post »
Comentários
6 Comentários
6 comentar
avatar

Nossa, Mi! Para tudo e chama a Bispa Sônia!

Responder
avatar

"Os evangélicos não perseguem ninguém", essa eu não sabia!

Responder
avatar

Ironia meu caro Vinicius, ironia.....

Responder
avatar

No Central da Copa de hoje (com meu amado Tiago Leifert), Hélio de la Peña, ao se referir à seleção brasileira, definiu perfeitamente a metáfora que vê o futebol como uma partida de xadrez: no jogo há torre (Julio Baptista), bispo(Kaká) e cavalo (Felipe Melo).
Perfeito!

Responder