A série Percy Jackson



Sempre gostei muito de literatura infantojuvenil (tudo junto agora de acordo com a nova regra) e por isso não é a toa que Peter Pan e Harry Potter são os meus favoritos do gênero. Dessa forma, dificilmente me recuso a ler qualquer livro de ação, aventura e fantasia, pois sempre acabo lendo! Foi assim que conheci a série House of Night e não me recusei a ler a série de Percy Jackson.

Já comentei um pouco sobre a série House of Night e por isso hoje comentarei sobre Percy Jackson, que tem O ladrão de Raios o primeiro da série. Os livros não são ruins e a cada página tem uma aventura diferente. Para quem não conhece, o livro traz a história de Percy Jackson, um garoto de 12 anos que descobre que é meio humano e meio deus, pois é filho de um dos deuses do Olimpo. Acredito que a série deve fazer com que os historiadores morram de ódio, pois o escritor Rick Riordan, às vezes extrapola ao trazer a Grécia antiga para a modernidade. Monstros mitológicos se misturam com a sociedade ocidental moderna de uma forma que chega a ser bizarra. Difícil imaginar Dionísio bebendo Diet Coke ou ainda a Medusa como um vendedora de uma lojinha de conveniência. Bom, se o livro por vezes exagera, nem quero comentar o filme!

De todos já lançados (O ladrão de Raios, O Mar de monstros, A maldição do Titã e A batalha do labirinto), O Mar de Monstros e A maldição do Titã são os mais divertidos, pois mistura ação, drama e romance. O que me deixava mais ansiosa nos livros do Harry Potter era a demora do desenrolar dos romances e nesse caso Percy Jackson foi um pouquinho mais direto, mesmo não havendo nenhum beijo (não, não é High School Music) entre os protagonistas até agora.

Em se tratando em literatura infantojuvenil, é impossível não comparar Percy Jackson com Harry Potter e sem sombras de dúvidas as semelhanças são muitas! Vejamos: existem 3 personagens principais, uma delas é uma garota super inteligente, existe um vilão sem corpo que quer voltar, há uma profecia na história e um professor super bonzinho e muito sábio, um dos colegas está sempre incomodando o protagonista, há disputa de casas (no caso de Percy Jackson as casas são representadas pelos filhos dos deuses), entre outras coisas.

Apesar das coincidências, particularmente não considero plágio e nem falta de criatividade do escritor, ele apenas está seguindo uma receita que deu muito certo. No entanto, é importante ressaltar que também existem muitas diferenças nos dois livros, Percy não é órfão e ainda por cima tem um meio irmão. Também não é tão ingênuo como Harry era com seus 12 anos. Além disso, a forma como os livros são narrados são bem diferentes.

Os adolescentes podem até terem uma visão distorcida dos mitos ao lerem Percy Jackson, mas provavelmente se interessarão mais em história antiga depois de conhecerem os livros. A série de fato não chega a ser um “O senhor dos Anéis” e nem acredito que fosse essa a intenção do autor, mas para quem gosta do gênero vai gostar de ficar sem fôlego com as aventuras desse semideus.

Michele Lima

Blogueira, tradutora, revisora, redatora, professora e pau pra toda obra. contato: michele_silvalima
@yahoo.com.br

Próximo
« Prev Post
Anterior
Next Post »
Comentários
2 Comentários
2 comentar
avatar

Olá, Michele!

Tudo bem?

Sou apaixonada por Mitologia Grega e Histórias Antigas. Já li muitos livros sobre o assunto, mas ainda não tive a oportunidade de ler a série 'Percy Jackson', vou guardar a sua dica e colocar na fila das minhas próximas leituras.

Parabéns pelo blog. Vou voltar sempre!

Um forte abraço!

Eve Db.

Responder
avatar

Oi Eve obrigada, tb gosto de Mitologia Grega e gostei da série "Percy Jackson", espero qye vc goste tb!


Bjs

Responder