O árduo trabalho da dublagem

Quem nunca ouviu a voz de um personagem e acabou se lembrando de outro? Ou ainda reconhecendo a voz do dublador? Comigo isso sempre acontece! Principalmente porque geralmente quem dubla um ator famoso uma vez, continua dublando-o sempre. Foi exatamente isso que aconteceu com o dublador Marco Ribeiro que sempre dubla Jim Carrey, Tom Hanks e Robert Downey Jr, entre outros. Aliás, a sua dublagem para o filme O Máskara, foi feita exclusivamente para a Rede Globo.

Há muito tempo eu defendo a dublagem brasileira, uma vez que é um trabalho super difícil, muitas vezes mal remunerado e com pouco prestígio, mas ou menos como ser professor. Acredito que apenas no Japão a dublagem tem sua devida consideração, uma vez que há verdadeiros fãs de dubladores de animes. Eu mesma acabo assistindo aos animes que a minha dubladora preferida (Rie Kugimiya) faz, mesmo quando não gosto do enredo.

Isso não quer dizer que eu prefira assistir a filmes dublados, na verdade prefiro assistir com legendas, mas não por não gostar da dublagem. Assistir a filmes legendados nos coloca em contado com a língua estrangeira, com o som original e com o texto original. Isso amplia o vocabulário e nos ajuda a compreender outra língua.

No entanto, sou totalmente a favor da dublagem de filmes e de desenhos, pois se tudo fosse só legendado as crianças, analfabetos e deficientes visuais jamais teriam a oportunidade de assistir a um filme. Além disso, é uma forma de prestigiar o trabalho árduo do dublador, que muitas vezes consegue fazer melhor que o original! Sem contar que a dublagem brasileira é uma das melhores do mundo. Caso tenham dúvidas, tentem assistir a um filme com dublagem de outros países para tirarem a prova!

Marco Ribeiro como Michael Kyle em Eu, a patroa e as crianças
        

Muitos criticam severamente a diferença das traduções da legendagem e da dublagem, mas desconsideram que a sincronia labial deve ser perfeita e que muitas piadas não fariam sentidos se fosse traduzidas ao pé da letra. Para o publico infantil quanto mais próximo de sua cultura, mas ele apreciará o filme. Este foi o caso do anime Yuyu Hahuko, dublado por Marco Ribeiro em 1997. O dublador ficou conhecido por sua dublagem no desenho por acrescentar frases como "Chupa Cabra" e "Dane-se o mundo que eu não me chamo Raimundo". As crianças, que na época assistiam ao desenho, adoravam e finalmente um dublador ficou conhecido por seu trabalho.

Depois da morte de Alexandre Lippiani, Marco assumiu a voz de Wood em Toy Story. Hoje, se outra pessoa fizer a dublagem eu estranharia muito, assim como estranhei Mauro Ramos dublando o Shrek no lugar de Bussunda. Definitivamente a voz do dublador é a identificação com o seu personagem.

        

Falando em artistas famosos dublando, esta semana perguntei a Marco Ribeiro se ele se aborrecia com essa moda, já que isso me incomoda um pouco. Eis que gentilmente ele me responde:

@MarcoRibeiroDUB @Micheleslima Obrigado. Não me incomoda não, sabe? Há espaço para todos e se o nome deles leva pessoas ao Cinema faz parte do Marketing! ;-)

No fundo ele tem toda razão e quem sabe agora, com artistas globais no ramo da dublagem, o trabalho do dublador não ganha mais prestígio? #Oremos.

Michele Lima


Blogueira, tradutora, revisora, redatora, professora e pau pra toda obra. contato: michele_silvalima
@yahoo.com.br

Próximo
« Prev Post
Anterior
Next Post »
Comentários
6 Comentários
6 comentar
avatar

tenho amigos dubladores e eles batalham muito por uma causa: ator global ganha uma fortuna pra dublar igual ou o mesmo que eles que ganham uma mixaria ... acontece essa desigualdade infelizmente ... pagam pouco pra eles que fazem trabalhos muito bons também ou até melhores

Responder
avatar

Eu não sou contra dublagem, apesar de gostar de ver legendado, uma vez vi Batman e a voz do Robin era do tipo mamãe sou muito gay, mais do que preciso ser.
Vi esta semana Como Treinar seu Dragão e adorei identificar a voz do Gerard Butler!

Responder
avatar

Mamis, "mamãe quero ser gay" foi muito boa!!! kkkkkkkkk

Gi, é por isso mesmo que me incomoda essa moda de artistas globais fazendo dublagem, porque de certo modo desvaloriza ainda mais o trabalho do tradutor.....

Responder
avatar

Eu já não concordo que o fato de ver filmes com legenda ajude na compreensão de lingua estrangeira.
Muito pelo contrário, no fim acabamos não prestando a atenção na fala e sim no texto em português.

Para compreender tem duas alternativas ou ver o filme no som original sem legendas ou ver o filme com som e legendas com mesmo idioma..

Quanto a dublagem, não posso proferir muitas coisas, porque não é uma área da qual conheço, porém concordo com a Gi qdo a dublagem acaba sendo um monopólio da Poderosa do Recreio dos Bandeirantes.

Responder
avatar

Ah Lipe, acho que ajuda de certo modo, a gente pode tirar um dúvida olhando a legenda e tal, mas isso quando queremos treinar o idioma, pq qdo assistimos para puro entretenimento, vc tem toda razão, não serve pra nada!

Adorei "monopólio da Poderosa do Recreio dos Bandeirantes". rsrsrsrsr

Responder
avatar

Ah, legenda com idioma original tb ajuda pra caramba!

Responder