Um dia perfeito


Acordo todos os dias às seis horas da amanhã. Tomo meu café e saio correndo para o ponto de ônibus. Todo dia a mesma coisa: ponto de ônibus lotado, ônibus lotado. Hoje não foi diferente. Esperei o primeiro passar, pois não iria pendurada na porta de modo algum! Então veio o segundo e ao menos consegui entrar. Realmente tenho que pagar para andar nisso?

Atrasada. De novo atrasada! Teria que enfrentar os olhares fulminantes da professora que pouco se importava se eu chegaria como sardinha enlatada para a faculdade, contanto que chegasse antes dela, ou seja, dez minutos antes de começar a aula. Isso mesmo, ela chegava dez minutos antes e fuzilava cada um que chegasse atrasado. Hoje, com toda certeza, seria fuzilada de novo. Pergunto-me se poderia ficar devendo pontos negativos pelo meu atrasado ao longo do semestre.

Além de andar como uma sardinha, quem pega ônibus também é obrigado a aturar as pessoas que às vezes também cheiram iguais a sardinhas. Será que existe alguma regra que obriga as pessoas a não passarem desodorantes antes de sair de casa?Por quê? Por que feder tanto logo pela manhã e me obrigar a sentir seu cheiro. Senhor, perdoe os meus pecados, mas ajude-os a não suar tanto. O que fiz para merecer ser pisoteada, jogada e encoxada todos os dias? Por que as pessoas que nunca pedem para segurar as nossas bolsas sempre conseguem se sentar antes de nós? Por quê?

Caso não bastasse toda a minha irritação por tudo aquilo, eu ainda havia esquecido o meu fone de ouvido e fui obrigada a escutar o forró do cara que estava ao meu lado direito e o rock pauleira do cara do meu lado esquerdo. As pessoas além de fedidas são surdas? Enfim, estava tentando relaxar (se é que isso era possível) quando escuto o celular tocar. Inacreditavelmente minha mãe consegue sempre me ligar nos piores momentos! O ônibus estava fazendo uma curva e eu estava lá entre o forró e o rock tentando me equilibrar para pegar o celular que estava no fundo da bolsa. Óbvio que não encontrei de primeira, porque celular em bolsa de mulher é igual cachorro fugindo da carrocinha, são ótimos para se esconderem. Cinco minutos depois consigo falar com a minha mãe, que só queria me dizer que eu havia esquecido o fone. Preciso contar que soltei fogo pela boca? Acho que não.

Cinco minutos depois, finalmente, estava perto da faculdade e o ônibus mais vazio. Sempre que você está perto de descer você arranja um lugar para se sentar, não é a lei de Murphy, é a lei da viação Gato Preto (a empresa de ônibus). Ao meu lado estava um indivíduo dormindo, de pernas abertas, sim porque homem vive assado e sempre quando se senta tem que abrir as pernas! Impressionante! Depois de gritar no ouvido do cara para poder sair, já que eu ia descer em breve, aguardo o sinal abrir, me segurando em um dos ferros do ônibus.

Minutos depois o ônibus arranca, mas não com uma partida suave de quem dirige um Mercedes-Benz de verdade, uma partida com solavanco e me pegou despreparada. Sou PHD em viagem de ônibus, mas realmente fui pega de surpresa, tanto que estava arrumando a bolsa no ombro e não consegui me segurar em nada, só fui dando passos e mais passos para trás, tentando inutilmente me agarrar em alguma coisa. Não consegui e cai, mas não no chão e sim no colo de alguém. Nunca gostei daquela cadeira que fica no meio do fundo do ônibus, mas nunca me senti tão grata por ela existir. Claro, tinha alguém sentado nela e minha vontade era de levantar e fingir que nada havia acontecido, mas havia: eu estava sentada no colo de um homem lindo e ele estava sorrindo para mim, dizendo: volte sempre. Eu, claro, apenas respondi: sempre que você se sentar por aqui.

Olha, até que andar de ônibus pode não ser tão ruim assim.....

Michele Lima

Blogueira, tradutora, revisora, redatora, professora e pau pra toda obra. contato: michele_silvalima
@yahoo.com.br

Próximo
« Prev Post
Anterior
Next Post »
Comentários
6 Comentários
6 comentar
avatar

Michele, muito bom! Quero este moço também, sentado lá e o ônibus nem precisa dar arranco, eu me jogo, kkkkk bjs

Responder
avatar

kkkkkkkkkkkk, morro de rir com vc Mamis! Mas vc tem razão, seria bom um Brad Pitt em todos os ônibus!

Responder
avatar

rsrsrs... histórias de ônibus lotado redem um livro! Sabe que numa cidade vizinha de onde moro estão tentando vigorar uma lei que proíbe escutar música muita alta ou música sem fone... acredite, por aqui os estilos são piores que forró e rock!

Responder
avatar

Puxa Tati, mas dentro do ônibus tem uma plaquinha que ninguém vê, mas lá diz que não se pode usar aparelho sonoro dentro do ônibus!!! rsrsrs Mesmo com fone de ouvido, algumas pessoas escutam tão alto que nem parece que usam fones....

Responder
avatar

Condução lotada é o que eu pegava todos os dias pra ir pra faculdade, a diferença é que eu pegava trem e tinha um professor ( que ainda admiro muito) que não admitia de jeito nenhum atrasos, o olhar dele era fulminante, dava medo. O que predominava entre alguns passageiros em alto e bom som era o funk, que odeio....
Porém eu nunca sentei no colo de um gatinho#droga. Eu já terminei a faculdade, mas ainda pego trem, quem sabe eu tenho mais sorte rsrs.

Responder
avatar

Moral da história: um momento, tão somente um momento vale por uma vida toda - ou ao menos uma corrida superlotada (e atrasada) de ônibus, quá-quá-quá!

Responder