Noite em Casa - Um olhar no paraíso


Confesso que abandonei o livro “Uma Vida Interrompida” da autora Alice Sebold pela metade, pois não me empolgou mesmo! A forma como ela narra é muito vagarosa, mas mesmo assim fiquei curiosa pra assistir a adaptação do livro para o cinema, afinal seria feita pelos competentes Peter Jackson e Steven Spielberg.

O filme “Um Olhar do Paraíso” (The Lovely Bones) se passa nos anos 70 e a história é contada por um narrador morto, nesse caso pela garota chamada Susie (Saoirse Ronan), que foi estuprada e esquartejada aos 14 anos por um criminoso sexual (Stanley Tucci). Após sua morte, Susie é transportada para um lugar intermediário entre a terra e o céu (paraíso). Ela fica nesse quase paraíso porque sua alma ainda precisa ser libertada das dores humanas que sente. Desse lugar ela presencia todo o drama de sua família: seu pai (Mark Wahlberg), por quem tinha uma enorme afinidade, que sofre e tenta encontrar quem matou sua filha e a fuga de sua mãe (Rachael Weisz), que não se conforma com sua morte. Todos nutrem vingança, pois Susie estava no auge de sua adolescência, com uma vida aparentemente perfeita, sendo muito amada por seus pais. Além disso, estava muito feliz após ter descoberto no fatídico dia que o amor que sentia por um garoto não era tão platônico assim, pois ele também estava apaixonado por ela e que por isso a convidou para o primeiro encontro dos dois, que ela pensou ser a grande oportunidade de dar seu primeiro beijo e viver o amor.

O filme é denso e um pouco angustiante, pois a personagem Susie não consegue interferir em nada do outro lado, nem se comunicar com os vivos (apenas com uma garota estranha da escola, que em minha opinião não representa muito na trama) e só assiste a tudo passivamente, sofrendo muito.

Apesar de ter gostado do filme, vejo um grande problema, pois quando as pessoas começam a imaginar esse tal “paraíso”, pensam em como deve ser o outro lado, se ele existe ou não; são as eternas perguntas do senso comum. Como todos imaginam como deve ser esse limbo, acredito que Peter Jackson acaba não usando muito sua imaginação e criatividade, mas pelo menos não teve nuvens e pessoas de branco. Ainda assim, achei cópia do filme “Amor além da Vida”, que considero de gosto duvidoso. O limbo do Peter Jackson é todo psicodélico cheio de cores e muitos efeitos especiais que não me surpreenderam e o filme nem se compara aos da trilogia “O Senhor dos Anéis” e “King King” que ele dirigiu e que considero excelente. Apesar de minhas críticas, dos “defeitos” especiais, o enredo do filme me agradou bastante. “Um Olhar do Paraíso”, que teve um investimento de US$ 65 milhões (um exagero pra um gênero drama), vale também pelo elenco bastante competente que conseguiu dar conta do recado. Considero o filme bem melhor que a metade do livro que li; algo inédito, pois geralmente os livros são bem melhores do que as adaptações para o cinema, mas quem leu o livro pode opinar melhor.

Recomendo também pra quem gosta de filmes bem explicados, já que até se torna um pouco demorado por causa disso. O final é digno e nos coloca diante uma duvido cruel: se você tivesse a oportunidade de se vingar do seu algoz, ou ter a única chance de dar o primeiro beijo, qual você escolheria? Duração: 139 minutos

     

Elda Rodrigues


Blogueira, tradutora, revisora, redatora, professora e pau pra toda obra. contato: michele_silvalima
@yahoo.com.br

Próximo
« Prev Post
Anterior
Next Post »
Comentários
3 Comentários
3 comentar
avatar

Na mioria das vezes que vou ao cinema, não costumo procurar saber sobre o que o filme se trata. Acho que perde a graça. Mas adoro ler as críticas logo quando chego em casa. Por algum motivo não fui atras do que as pessoas acharam deste filme. Por essa razão me surpreendi ao me deparar com esse post. Achei o filme atorduante e não o assistiria uma segunda vez. Isso não quer dizer que o filme não é bom, muito pelo contrário , filmes bons costumam causar grandes impactos e este, é tão bom que consigo revivê-lo ao piscar os olhos. Quanto a sua pergunta, a idéia de vingança faz muito mais sentido, mas não mudaria nada não é mesmo? Um pouquinho de egoísmo, neste caso, é permitido!

Responder
avatar

Olha, esse filme me parece muito dramático para o meu gosto. Deve ser daqueles que a gente precisa assitir com um lencinho do lado! Quando eu tiver disposta a chorar de montão, eu vou assitir!

Elda, só não concordo com seu comentários sobre o filme "Amor além da vida", acho aquela idéia de céu maravilhosa, embora seja exagerada rsrsrsr!

Nathália, valeu pelo comentário!


Bjs, Mi

Responder
avatar

Mi, sorry, mas é realmente exagerado aquele céu rsrsr.
Quanto a ideia de vingança, acho que não é mesmo o foco da autora, quando a gente lê o livro não tem nada de dramático como no filme. Mas depois de ler um pouco sobre a autora percebo que ela não é lá muito vingativa, pois a própria foi vítima de violência sexual aos 18 anos por um colega da faculdade e que por isso escreveu o livro Sorte Um caso de estupro ( que também não li, mas esse eu quero ler), bom mas cada um deve lidar com o trauma desses de maneira particular.

Responder