Noite em casa - Frost/Nixon


Quando “Frost/Nixon” saiu em 2009 pensei que fosse um filme meramente político e achava que o escândalo sobre o Watergate já tinha sido explorado o suficiente ainda na década de 70, mas quando assisti recentemente ao filme, percebi que o jogo político e a corrupção são meros panos de fundo para outro tema: a linguagem.

O filme mostra os momentos vividos por Nixon (Frank Langella) e Frost (Michael Sheen) durante a entrevista em que o ex-presidente americano deu, depois de três anos em absoluto silêncio após renunciar à presidência dos Estados Unidos, por conta do escândalo de Watergate. A entrevista foi divida em quatro partes em dias diferentes e o telespectador assiste a tudo, inclusive aos comentários dos assessores, personagens de Kevin Bacon, Matthew Macfadyen, Oliver Platt e Sam Rockwell, que na forma de documentário relatam o que se passava e as expectativas de cada um.

Frost endividado, sem muita credibilidade, aposta todas as fichas na entrevista, por outro lado Nixon tenta mostrar a imagem de homem forte, determinado e que fez tudo pensando na nação. Era de se esperar que Frost afrontasse Nixon, mas não foi o que aconteceu. Logo na primeira tentativa de afrontamento Nixon responde de maneira longa e detalhada. Estratégia que durou durante as três primeiras partes da entrevista, para desespero de Frost.


No entanto, um dia quando estava bêbado, Nixon liga para Frost durante uma madrugada e em um discurso em que iguala os dois a marginalizados que tentam a todo custo se integrar ao sistema, consegue fazer com que Frost se dedique ainda mais a entrevista e passa a estudar detalhadamente o caso Watergate, tentando atingir Nixon até no modo emocional.

"Frost/Nixon" é um verdadeiro filme sobre o uso e o poder da linguagem e a persuasão, indispensável para qualquer jornalista. A entrevista é quase como uma luta de quatro rounds em que o último o entrevistador tenta nocautear Nixon, mostrando que recursos de comunicação e mídia podem simplesmente afundar ainda mais uma pessoa, como por exemplo, o “humilhante poder do close” citado no filme.

Inteligente, brilhante, dinâmico, Frost/Nixon é um excelente filme e que por isso mesmo teve 5 indicações ao Oscar em 2009! Duração: 122 minutos

         

Michele Lima


Blogueira, tradutora, revisora, redatora, professora e pau pra toda obra. contato: michele_silvalima
@yahoo.com.br

Próximo
« Prev Post
Anterior
Next Post »
Comentários
3 Comentários
3 comentar
avatar

Boa resenha, Mi.
Pretendo assisti-lo. Vou indicá-lo ao meu irmão também.

Responder