Noite em Casa - Cinema Paradiso



- Alfredo è morto!

Esta é a frase que marca uma ligação recebida pelo cineasta e protagonista, Salvatore Di Vita. A partir desta chamada, toda a história que repercutiu no futuro do cineasta, já maduro, começa a se desenrolar em longos flashbacks.

Uma pacata vila, com singelos moradores (e até podemos lembrar da música do Chico Buarque, Gente Humilde), o pequeno Salvatore, Totó, tem sua paixão pelo cinema acendida, ao se tornar amigo do projecionista Alfredo.

“Cinema Paradiso” condensa o verbo com o audiovisual. É um filme que se pode dizer por completo, que aceita e se deixa ser aceito, conseguindo causar emoções em quase todos, sendo uma história só. Saindo de nossa zona de conforto facilmente vamos nos deparar com muitas situações adversas e isso pode nos causar o crescimento, a busca pelo foco do nosso objetivo ou o inverso. “Cinema Paradiso” mostra que Salvatore Di Vita conseguiu realizar aquilo que ele pretendia e focava, sendo isso perpassado em meio a uma nostalgia desmedida, um dos outros pontos significativos do filme, para que haja outros tipos de identificações. Por isso, sua complexidade, mas ao mesmo tempo a sua facilidade de assimilação. É um filme longo, para quem não tem muita paciência, mas é envolvente e por isso mesmo ele consegue prender o espectador, em sua poltrona, cama ou em seu sofá. 


O reencontro de Salvatore com a vila de onde saiu quando pequeno é um choque, em meio a uma solidão austera, devido ao peso e à carga de tantos sentimentos que, talvez, não foram tão bem resolvidos, mas esquecidos no pretérito mais que perfeito, que o longa deixa claro, embora Tornatore desabroche os fatos paulatinamente.
Este é o meu filme escolhido, favorito, amado, apaixonado e para sempre, eternamente, o filme que vou chorar desesperadamente do começo ao fim. Não só pela história, mas pela trilha sonora. 


“Cinema Paradiso” é um filme italiano, dirigido com maestria por Giuseppe Tornatore, também criador do roteiro, que se diga de passagem: simples, harmonioso e elegante! É um drama siciliano? Sim! É romântico? Sim! É triste? Também! Esteticamente tocante e pungente? Obviamente que sim, caso contrário não poderia tecer um só parágrafo sobre. “Cinema Paradiso” é e sempre será um marco no cinema mundial pelo seu roteiro, direção, criação, trilha sonora – composta por Ennio Morricone e sempre reconhecida em qualquer lugar por quem já assistiu o filme – e é completo porque é uma metalinguagem que se recria por cada olhar, de cada um de nós, dispostos a viver a magia da sétima arte. Duração: 123 minutos

            

Ivna Alba

Blogueira, tradutora, revisora, redatora, professora e pau pra toda obra. contato: michele_silvalima
@yahoo.com.br

Próximo
« Prev Post
Anterior
Next Post »
Comentários
4 Comentários
4 comentar
avatar

Eu vi este filme há muitos anos atrás, amei, acho que se eu ver de novo vou amar novamente. bjs

Responder
avatar

Eu ainda não assisti! Mas está na minha lista de filmes que tenho que ver antes de morrer! rsrsrs

Responder
avatar

A Ivna consegue fazer um resenha de poesia, adoro. Eu tenho uma lista no Filmow de filmes clássicos pra assistir, e esse também está lá.

Responder
avatar

Oi,amiguinho(achei legal seu blog),visite/siga o Blog do XANDRO
(meu blog para retribuir o carinho)vc vai gostar!;)

http://blogdoxandro.blogspot.com/

Responder