Noite em casa - Confissões




Eu confesso que assisto a poucos filmes asiáticos, um dos melhores de vingança que eu já vi até hoje foi o sul-coreano “Oldboy”. Em minha opinião, nenhum roteiro sobre o tema ainda superou a história de vingança desse filme, em breve farei uma resenha sobre ele. Estou comentando porque algumas pessoas que assistiram a “Confissões” (Kokuhaku, 2010) disseram que é parecido, mas só no quesito vingança. No entanto, podemos concordar que os asiáticos são bons quando o tema é esse.

O filme “Confissões” é extremamente estarrecedor, ele aborda o tema da violência juvenil, além disso, nos leva a refletir sobre determinadas atitudes do ser humano diante das adversidades da vida, pois cada um tem sua própria maneira de pensar e agir conforme sua realidade, e muitas vezes por achar realmente que é o certo a fazer.

O filme começa com a professora dizendo que será o último dia de aula, pois não voltará mais a lecionar, ela começa a relatar vários fatos de sua vida, no entanto, os alunos não prestam muita atenção, ela continua e confessa que a morte de sua filha na piscina da escola não foi um mero acidente, como a polícia concluiu, na verdade ela sabe que sua filha foi assassinada e ainda revela que os assassinos foram dois alunos da sala, ela passa a chamá-los de A e B.



A partir daí começa um alvoroço na sala pra tentarem adivinhar, mensagens de celulares começam a ser enviadas entre os alunos da sala e logo descobrem os autores do crime, a professora, entretanto, explica que não irá denunciar ninguém por causa da Lei Juvenil que os protege, não importa o crime que tenham cometido, ela não os punirá devidamente. Mas ela avisa: estou prestes a me vingar! Vai embora, mas deixa uma lembrança para os dois alunos, a vida deles nunca mais será a mesma. A vingança não é necessariamente física, pois suas mentes serão abaladas para sempre, mas surpreendentemente, um dos alunos é bem mais forte do que ela imaginava, mas é só até a professora descobrir seu ponto fraco.

Esse é o tipo de filme que fica difícil resenhar sem spoiler, por isso eu não vou entrar em mais detalhes, mas posso afirmar que a pacata e doce professora se torna uma mulher de sangue-frio. Mesmo não estando na escola ela conseguirá provocar aterrorizantes mudanças na vida dos dois adolescentes, mas não é só isso, o clima é tenso o tempo todo, a cada minuto somos surpreendidos com uma nova descoberta, novos detalhes vão sendo mostrados continuamente e através de confissões vemos como tudo começou e o motivo que culminou na morte da pequena Namani. A fotografia tem sempre o clima sombrio, a trilha sonora com canções do Radiohead colabora e prende nossa atenção.

O diretor retrata bem como os adolescentes se comportam, o que pensam e suas atitudes na sociedade atual são demonstradas de maneira bem realista. Não posso deixar de mencionar que o elenco jovem foi excelente, fiquei impressionada com as atuações com um tema até pesado, que exigiu muito de cada um, confesso que deu medo deles, o olhar frio, sem sentimento me congelou.

Termino com uma frase mencionada no filme: ''Desconhece o valor da própria vida, por isso não o dá para as demais, por isso põe em risco a vida de muitos.''

Vale à pena apreciar esse filme! Duração: 106 minutos

Elda Rodrigues

Blogueira, tradutora, revisora, redatora, professora e pau pra toda obra. contato: michele_silvalima
@yahoo.com.br

Próximo
« Prev Post
Anterior
Next Post »
Comentários
3 Comentários
3 comentar
avatar

Eu sempre achei que filmes asiáticos eram super dramáticos, mas pelo trailer, o filme está mais para terror! rsrsrsrsrs

Responder
avatar

Eu tenho medo dos dramas orientais, acho que esse filme é um tipo de terror psicológico!

Responder
avatar

É um drama psicológico, mas hiptoniza pois somos surpreendidos a todo momento, todas as peças se encaixam, o autor não deixa nada sem explicação. É tenso, mas eu gostei muito!

Responder