Noite em Casa - Os fantásticos livros voadores do Senhor Lessmore



Geralmente eu não coloco só um único curta como indicação, mas esse merece um post só dele! 

A história só dura 15 minutos, mas é o suficiente para você se envolver nesse delicado enredo, em que mostra logo a princípio o Senhor Lessmore sendo levando por um furacão, que me lembrou imediatamente do tornado de “O mágico de Oz”. No entanto, se os sapatinhos vermelhos de Dorothy a levaram junto com o tornado à terra de Oz, o furacão desse curta leva o Senhor Lessmore, juntamente com seu livro de capa vermelha, a um mundo em que as letras se desprendem dos livros e estes voam! 

Neste mundo, em que o realismo é fantástico, os livros não apenas sabem voar, como também possuem vida própria, vida esta impulsionada pela leitura dos livros, sendo evidente que a relação leitor-autor pode dar assas a imaginação de maneira denotativa. “Os fantásticos livros voadores do Senhor Lessmore” foi indicado ao Oscar 2012 de melhor Curta-Metragem (animação) e cheguei a ele por conta de uma indicação da minha amiga Jaci do blog “Uma Pandora e sua caixa”. Como é uma história linda e delicada, acho que vale a pena conferir! 



Michele Lima

Blogueira, tradutora, revisora, redatora, professora e pau pra toda obra. contato: michele_silvalima
@yahoo.com.br

Próximo
« Prev Post
Anterior
Next Post »
Comentários
10 Comentários
10 comentar
avatar

Aaaaaaaaaahhhh.... Obrigada pela citação!!! Coisa fina!!! Esse curta é um sonho mesmo!!!

Responder
avatar

Eu que agradeço a sua indicação jaci!!

Responder
avatar

É uma animação encantadora. Acho que a mais encantadora que já vi na vida.

Responder
avatar

De nada!!! Precisando cáh estou!!!

Responder
avatar

Erica!!!! Não sei se é a mais encantadora, mas em dúvida é uma delas! Espero que ganhe o Oscar!

Responder
Este comentário foi removido pelo autor. - Hapus
avatar

Fantástico! Foi a melhor coisa que vi sobre livros e o prazer da leitura.

Responder
avatar

Muito lindo!!!!! Representa de forma incrível o prazer da leitura, queria que todos pudessem sentir.

Responder