Querida, encolhi as crianças


Eu já fiz uma rápido comentário de Querida, encolhi as crianças (1989) aqui, mas recentemente me deparei com o filme na Netflix e até fiquei emocionada. Eu assisti a esse filme quando criança, numa época que qualquer efeito especial simples já me encantava, qualquer enredo fantástico era o suficiente para ativar minha imaginação. Acho que já dá pra perceber que fui picada pela nostalgia!

O filme fala de Wayne Szalinski (Rick Moranis) e sua família. Um dia Szalinski, que parece ser um cientista maluco, cria uma máquina que encolhe objetos e num acidente seus filhos e os do vizinhos acabam encolhendo também. Indo parar no jardim na casa, o cenário vira uma selva e os insetos animais monstruosos! E dessa forma, as crianças que nem se dão muito bem acabam enfrentando uma enorme aventura. Amy (Amy O'Neill) e Russ (Thomas Wilson Brown) são os meus personagens favoritos, afinal, desde criança eu sempre adorei um romance. Eles se detestam a princípio, mas acabam se dando super bem depois de viverem em perigo e passarem por essa aventura! Amy é uma garota típica popular e Russ é uma cara legal que no fundo se sente inseguro em relação a Amy. Já Nick (Robert Oliveri), o irmão mais novo de Amy é a cópia do pai em todos os aspectos e Ron (Jared Rushton) um tanto rabugento.


Querida, encolhi as crianças acabou tendo outras continuações, Querida, Estiquei o Bebê e Querida, Encolhi a Gente que eu simplesmente detestei, nenhuma deles teve mais o brilho do primeiro filme, mesmo que o ator Rick Moranis continuasse nelas.

Vale destacar que o começo do longa tem uma animação bem legal que foi cortada, infelizmente, para a TV. E de modo geral os efeitos para época eram fantásticos e o filme mais um sucesso da Disney! Acabou virando um Clássico da TV brasileira porque passou inúmeras vezes no SBT e na globo, pena, que já faz tempo que eles não reprisam.

Michele Lima
Próximo
« Prev Post
Anterior
Next Post »
Comentários
2 Comentários
2 comentar
avatar

Esse filme é demais hahaha daqueles sessão da tarde que a gente assiste feliz da vida. Bateu até saudade agora com o seu post!

xx Carol
http://caverna-literaria.blogspot.com.br/

Responder
avatar

Oi Michele!
Eu amava esse filme quando era criança! E acho que ainda iria gostar se assistisse hoje, pois é um filme que me marcou. Fiquei com vontade de ver agora.

Beijos,
Sora - Meu Jardim de Livros

Responder